Telmo Martins vence concurso canadiano com «Crosswalk»

A curta-metragem «Crosswalk» valeu terça-feira ao jovem realizador português Telmo Martins o primeiro prémio de um concurso canadiano de vídeos do portal Istockphoto, um galardão que lhe permitirá rodar a sua primeira longa-metragem. O concurso decorreu num portal canadiano de vídeos e imagens que conta com uma comunidade de quase dois milhões de utilizadores.

O filme, que venceu na categoria de comédia, foi gravado em Abril na Covilhã com produção da Lobby Productions, que Telmo Martins fundou depois de ter terminado em 2006 o curso de design multimédia naquela cidade do interior.

A partir do tema «Future now», Telmo Martins decidiu brincar com «a ideia de que toda a gente hoje em dia tem um gadget, um aparelho que faz com que cada um tenha o seu próprio bip».

«Chega a uma altura em que os bips de todas as pessoas entrarão em choque, é um choque de tecnologias», afirmou Telmo Martins à agência Lusa.

O mote do vídeo «Crosswalk», com cerca de dois minutos e meio de duração, é explicado pela curta sinopse: «no barulho das luzes, existe sempre alguém que confunde os sons».

O primeiro prémio do concurso é material técnico no valor de cerca de seis mil euros, e inclui uma câmara de filmar de alta definição que permitirá Telmo Martins rodar a sua primeira longa-metragem.

«Nós [produtora Lobby Productions] queríamos mesmo esta câmara para poder filmar, esse foi o objectivo quando concorremos», sublinhou, satisfeito, Telmo Martins.

A longa-metragem, intitulada «Tempo presente – memórias de um estudante», deverá ser rodada entre Outubro e Novembro e entre Março e Abril de 2008 em Lisboa, Porto e Covilhã.

«Não é um típico filme sobre a vida dos estudantes, as festas, a queima das fitas. É uma comédia dramática diferente», descreveu o realizador de 28 anos.

Diário Digital / Lusa

———————-“-“———————

O Suplente deixa aqui os parabéns ao Telmo, com alguns dias de atraso mas sempre sinceros. Pode ser que um dia destes O Suplente estabeleça contactos com o Telmo para ele nos desvendar um bocadinho mais da sua 1º curta metragem 😉 quem sabe, sonhar nao custa lol 😀

David Lynch No Imago 2007

 Fotografia e Cinema – Da Película ao HD” é o tema do Imago 2007 – Festival Internacional de Cinema e Vídeo Jovem, que vai decorrer entre 29 de Setembro e 7 de Outubro no edifício da Moagem, no Fundão.
A data e o tema da oitava edição já estão definidos, assim como algumas das retrospectivas e secções destinadas a dar a conhecer alguns dos nomes mais sonantes da sétima arte.

É o caso de David Lynch. O enigmático e irreverente realizar norte-americano vai ser destacado na secção “Early Years”, um programa dedicado à obra produzida até aos 35 anos por cineastas hoje consagrados.
Alguns dos seus primeiros trabalhos serão exibidos nesta oitava edição do Imago, como é o caso de “Six Figures Getting Sick” (1966), “The Alphabet” (1968), “Eraserhead” (1977), “The Grandmother” (1970), passando ainda por “The Amputee” (1974), “Elephant Man (1980) e “Dune” (1984).

Segundo a organização do evento, a Cooperativa Cinema Jovem, este programa «ganha ainda mais importância num ano em que o Imago dedica o seu tema principal ao cinema digital e em que Lynch revelará ao mundo o seu último projecto totalmente feito em digital», nomeadamente o “Inland Empire”, trabalho que o realizador se encontra a desenvolver nos últimos dois anos.

Jonas Mekas, o mítico realizador lituano, radicado nos Estados Unidos desde a década de 50, é outra das figuras de destaque deste Imago 2007, assim como o famoso artista
Andy Warhol. O programa dedicado a este último terá uma ligação profunda a Mekas.(…)

Kaminhos

 

 

 
 

3º Festival de Cinema da Covilhã

A “cidade neve” vai transformar-se, por estes dias, na capital nacional do cinema. A Delegação do INATEL da Covilhã, promove entre os dias 11 e 19 de Maio, a terceira edição do Festival de Cinema da Covilhã.

Duas ante-estreias nacionais, vários filmes que serão exibidos pela primeira vez em Portugal e exibição de obras cinematográficas em localidades que não têm cinema são algumas das metas que os organizadores da terceira edição do Festival de Cinema da Covilhã se propõem a atingir.
De entre um vasto leque de novidades, destaque para o programa do festival que contempla a exibição de mais de 40 filmes. Esta iniciativa prevê a exibição de filmes na Covilhã, na Sertã e em Idanha-a-Nova. Ao contrário do que estava previsto pela organização, a cidade de Castelo Branco não vai contar com uma extensão deste festival “isto porque a sala onde se pretendia projectar os filmes vai encerrar”, adianta Luís Cassapo, director de coordenação do festival.
Bernardino Gata, delegado regional do INATEL adianta que esta iniciativa “vai colmatar uma brecha existente na programação cultural da região”. Gata adianta ainda que o júri do festival vai ser presidido pela realizadora Margarida Gil, e vai contar com “diversos nomes relacionados com o cinema, ao nível da região”. Bernardino Gata acrescenta que a terceira edição deste festival vai servir também para “homenagear, a título póstumo, a actriz Isabel Castro”.
Luís Cassapo foi quem apresentou a parte “técnica” deste evento. Depois de “organizar este evento em tempo recorde, estamos aqui com o melhor que conseguimos”, adianta este responsável. O evento que vai decorrer no Teatro-Cine da Covilhã e na Cinubiteca da UBI, no que respeita à “cidade neve”, vai passar também no Auditório do Centro Cultural Raiano, em Idanha-a-Nova e no Cine Teatro Tasso, na Sertã. Para além da mostra de filmes para o público geral vai decorrer também uma iniciativa intitulada “A Escola Vai Ao Cinema”. Este evento decorre nas salas da Castello Lopes Filmes, no Serra Shopping e engloba “um total de sete escolas básicas do concelho da Covilhã e 539 alunos”. Durante os dias de realização do festival, estes alunos vão poder assistir a dois filmes de animação.
Vai também decorrer um workshop de cinema, “novamente em parceria com a UBI”, lembra Cassapo e que será dirigido aos alunos do primeiro ano da licenciatura em Cinema da instituição de ensino superior.
Joaquim Diabinho, director de produção do festival, foi também um dos intervenientes na apresentação à imprensa, do festival. Segundo estes responsável, esta terceira edição “continua fiel aos seus princípios que são de promover o cinema português e divulgar filmes que por razões comerciais não são tão vistos”. Segundo Diabinho, nesta terceira edição vai ser possível assistir a duas ante-estreias em Portugal. A primeira já no próximo dia 11 de Maio, aquando da abertura oficial com o filme “The Banquet – Inimigos do Império” do realizador Feng Xiaogang e uma outra, na sessão de encerramento. Esta última ante-estreia resume-se a um filme francófono que ainda está a ser legendado em português. Para além destes filmes há também outros títulos a destacar, como é o caso do ““Little Miss Sunshine”, de Jonathan Dayton e Valerie Faris. “Uma comédia nunca foi exibida em Portugal e que foi nomeada para os Óscares”, lembra Diabinho. “Pecados Íntimos – Little Children” do realizador Todd Field é também outro dos destaques apontados pelo director de programação. Em competição nacional vão estar quatro longas-metragens e dez curtas. Os prémios dividem-se entre Grande Prémio “Cidade da Covilhã”, para o melhor filme longa-metragem, com um total de 2500 euros, Grande Prémio “Cidade da Covilhã”, para o melhor filme curta-metragem, com um total de 1250 euros e ainda, Melhor Realizador, Prémio de Revelação “José Álvaro de Morais”, Prémio Especial – Reconhecimento de Carreira e duas menções honrosas. A estes juntam-se os prémios do público para Melhor Filme, Melhor Realizador e Melhor Intérprete.
Quanto à programação, para dia 11, sexta-feira, está marcada a Sessão de Abertura com a ante-estreia do filme “Inimigos do Império”, no Teatro-Cine da Covilhã. Para esta sala estão também marcados os filmes “Uma família à beira de um ataque de nervos”, dia 11 às 24 horas. Sábado, 12, pelas 17.30 horas, passa “Serão”, “Cântico de criaturas” e “Body Rice”. No mesmo dia às 21.30 é a vez de “O Bom Nome” e pelas 24 horas “Encurralados”. No domingo, 13, “Palombella Rossa” é exibido às 17.30 horas, já às 21.30 é a vez de “Rapace”, “Primeiro Voo” e “Coisa Ruim”. Na segunda, 14, pelas 17.30 horas o filme em destaque no Teatro-Cine da Covilhã é “Querido Diário” e pelas 21.30 “Pecados Íntimos”. Esta sala recebe também no sábado, 19, a sessão de encerramento. Um evento marcado para as 16 horas e que, para além da cerimónia de entrega de prémios conta também com a ante-estreia de um filme francófono.
Quanto às extensões deste festival estas passam pela Cinubiteca da UBI, onde podem ser vistos filmes a partir de segunda-feira, 14, pelas 16 horas, com “Não quero apenas que me amem” e também às 21.30 horas “O direito do mais forte à liberdade” e “Crosswalk”. Na Terça, 15 “A terceira Geração” passa às 21.30 horas e na quarta, 16 é a vez de “Lili Marleen”, no mesmo horário. O último filme a ser exibido nesta sala está marcado para quinta-feira, 19, às 21.30 e é “A saudade de Verónica Voss”.
Também as salas de cinema “Castello Lopes”, no Serra Shopping recebem uma extensão do festival entre os dias 14 e 18, com sessões às 10.30 horas. Nestas salas decorre a acção pedagógica “A Escola Vai ao Cinema” e vão ser exibidos os filmes “A Viagem de Chihiro – O Castelo Andante” e “O Primeiro Olhar”.
No auditório do Centro Cultural Raiano, em Idanha-a-Nova, passam os filmes “Sinal de Alerta”, sexta, 11, pelas 21.30, “Livro Negro”, sábado, 12, às 16 horas, “À beira do precipício”, sexta, 18, às 21.30 horas e no sábado, 19, pelas 16 horas passa “Pequenas Flores Vermelhas”. Por último, no Cine Teatro Tasso, na Sertã, está agendado para sexta, 11, “A maldição da flor dourada”, sábado, 12 “O véu pintado”, quinta, 17 “A filha da guerra”, sexta, 18 “Boa noite, e boa sorte” e sábado, 19 “Voltar”. Todos os filmes são exibidos às 21.30 horas. O preço geral dos ingressos é de dois euros e há também a possibilidade de adquirir uma série de dez bilhetes por 15 euros e uma série de 20 bilhetes por 20 euros.

in Urbi@Orbi

Documentário sobre Kurt Cobain no IndieLisboa

Documentário sobre Kurt Cobain no IndieLisboa
O vocalista dos Nirvana íntimo e pessoal em filme.
Kurt Cobain: About a Son é um documentário/retrato do mítico vocalista dos Nirvana. O filme tem como ponto de partida uma série de conversas, gravadas apenas em áudio, que Cobain manteve com o escritor de música Michael Azerrad (autor do livro Come as You Are: The Story of Nirvana ) entre 1992 e 1993, às quais foram associadas imagens da «América profunda».

Com realização de AJ Schnack, Kurt Cobain: About a Son estreia em Portugal durante o IndieLisboa, na secção IndieMusic, sendo exibido a 21 de Abril (00h00) no Cinema Londres e a 28 de Abril (19h00) no Fórum Lisboa. O documentário é descrito como «um relato profundo e quase sonhador dos sucessos e fracassos do ícone da música grunge».

O IndieMusic é uma secção do festival de cinema lisboeta que tem como temática a música, nomeadamente a cena pop/rock independente. Além do documentário sobre Cobain, serão exibidas também as longas-metragens: Herbie Hancock’s Possibilities , Nu Bai – O Rap Negro de Lisboa , The Old Weird America: Harry Smith’s Anthology of American Folk Music e Revolution . Entre as cinco curtas-metragens que também integram o cartaz, encontra-se Sonic Youth: “Do You Believe in Rapture?” , uma homenagem ao clube nova-iorquino CBGB, recentemente encerrado.

in BLITZ

Scorsese vai criar fundação para preservar obras-primas cinema

O realizador norte-americano Martin Scorsese vai anunciar em Maio, no âmbito do Festival de Cinema de Cannes, a criação de uma Fundação para preservar as obras-primas do cinema mundial.

De acordo com a organização do festival, Scorsese estará em Cannes para presidir a uma masterclass sobre cinema, mas aproveitará a ida ao prestigiado certame para anunciar a criação da World Cinema Foundation.

Scorsese, premiado em Fevereiro em Hollywood com o Óscar de melhor realizador, vai ainda entregar um prémio ao realizador que apresentar a melhor primeira obra.

O Festival Internacional de Cinema de Cannes, que decorrerá de 16 a 27 de Maio, cumprirá 60 anos.

Para assinalar a efeméride, a organização convidou 35 realizadores de todo o mundo, entre os quais Manoel de Oliveira, para a realização do filme «Chacun son cinema».

Esta longa-metragem colectiva integrará 35 curtas-metragens de três minutos cada, cujo tema é «a sala de cinema».

Abbas Kiarostami, Takeshi Kitano, Nanni Moretti, Roman Polanski, Raoul Ruiz, Walter Salles, Lars von Trier, Wim Wenders e Zhang Yimou são alguns dos realizadores que integram esta iniciativa.

O júri deste ano do festival, que atribui a Palma de Ouro ao melhor realizador e filme, é presidido pelo realizador britânico Stephen Frears, autor, entre outros, de «A Rainha».

Diário Digital / Lusa

Documentário sobre Kurt Cobain no IndieLisboa

Documentário sobre Kurt Cobain no IndieLisboa
O vocalista dos Nirvana íntimo e pessoal em filme.
Kurt Cobain: About a Son é um documentário/retrato do mítico vocalista dos Nirvana. O filme tem como ponto de partida uma série de conversas, gravadas apenas em áudio, que Cobain manteve com o escritor de música Michael Azerrad (autor do livro Come as You Are: The Story of Nirvana ) entre 1992 e 1993, às quais foram associadas imagens da «América profunda».

Com realização de AJ Schnack, Kurt Cobain: About a Son estreia em Portugal durante o IndieLisboa, na secção IndieMusic, sendo exibido a 21 de Abril (00h00) no Cinema Londres e a 28 de Abril (19h00) no Fórum Lisboa. O documentário é descrito como «um relato profundo e quase sonhador dos sucessos e fracassos do ícone da música grunge».

O IndieMusic é uma secção do festival de cinema lisboeta que tem como temática a música, nomeadamente a cena pop/rock independente. Além do documentário sobre Cobain, serão exibidas também as longas-metragens: Herbie Hancock’s Possibilities , Nu Bai – O Rap Negro de Lisboa , The Old Weird America: Harry Smith’s Anthology of American Folk Music e Revolution . Entre as cinco curtas-metragens que também integram o cartaz, encontra-se Sonic Youth: “Do You Believe in Rapture?” , uma homenagem ao clube nova-iorquino CBGB, recentemente encerrado.

in BLITZ

Half Nelson

halfnelson.jpeg

Cá está o filme sobre professores inspiradores e alunos problemáticos capaz de meter a um canto e reduzir à sua insignificância toda uma linhagem de filmes do género (lembro-me, por exemplo, de Mentes Perigosas, com Michelle Pfeiffer). Half Nelson (em Portugal chama-se Encurralados) tem a originalidade de ter um professor inspirador tão ou mais problemático que os seus alunos problemáticos – interpretado por Ryan Gosling, um dos grandes actores da nova geração, um tipo com a intensidade de um jovem Robert De Niro – e é escrito, realizado e interpretado com uma sinceridade e um realismo impressionantes. Gosling é apanhado por uma das suas alunas (Shareeka Epps) numa das casas-de-banho da escola a fumar crack e isso é o ponto de partida para uma inesperada amizade entre os dois, baseada no segredo, e um complexo triângulo de relações que inclui também um dealer (Anthony Mackie) que tem uma relação quase paternal com a jovem. O homem, que vende droga, não quer que ela se dê com um consumidor; o professor, que consome droga, não quer que ela se dê com um dealer. É uma complexa teia de relações e moralidades entre pessoas que, de uma forma ou de outra, contam umas com as outras para se puxarem do abismo.

O filme de Ryan Fleck e Anna Boden é inteligente, oferece alguns murros no estômago ao espectador (sem, no entanto, entrar em simplismos para chocar – veja-se, por exemplo, como a personagem do dealer nada tem a ver com os lugares-comuns habituais) e, no fim, sem lamechices, abre uma janela de esperança. Pelo caminho tem uma série de detalhes dignos de nota – a maneira como eventos históricos relativos à luta pelos direitos civis vão pontuando a acção, lidos pelos alunos; ou pequenos pormenores preciosos como o momento em que Gosling usa um pequeno penso com a bandeira americana para cobrir uma ferida no lábio – e que ajudam a que Half Nelson seja um dos grandes filmes do ano. Nunca é demais sublinhar que as interpretações são, de facto, esmagadoras – sobretudo Gosling (nomeado para o Oscar) como o professor, e Shareeka Epps, no papel da aluna. Vão ver, que não se arrependem.

Texto de Nuno Markl

Documentário sobre os Heróis do Mar em antestreia na CdM

herois-do-mar.jpg

O documentário sobre o grupo Heróis do Mar, «Brava Dança», de José Francisco Pinheiro e Jorge Pereirinha Pires, vai ser apresentado em antestreia no próximo sábado na Casa da Música, no Porto.

Esta primeira projecção do documentário, que estreará nas salas de cinema a 8 de Março, será seguida de uma conversa com os realizadores e elementos dos Heróis do Mar, e da exibição inédita de dois concertos da banda em Lisboa, nos anos 1980.

Pela primeira vez, serão exibidas publicamente gravações vídeo de concertos dos Heróis do Mar no Rock Rendez-Vous, em 1983, e no Voxmania, em 1987, de apresentação dos álbuns «Mãe» e «Macau», respectivamente.

Estão confirmadas no evento as presenças de pelo menos três dos cinco elementos da banda, entre os quais Paulo Pedro Gonçalves, que viajará propositadamente de Londres, onde está radicado há vários anos.

Os Heróis do Mar formaram-se em Março de 1981, em pleno boom do rock português, por Pedro Ayres Magalhães (baixo), Paulo Pedro Gonçalves (guitarra), Rui Pregal Cunha (voz), Tozé Almeida (bateria) e Carlos Maria Trindade (teclas), separando-se em 1990.

«Saudade», «Brava Dança dos Heróis», «Amor», «Paixão» e «Só Gosto de Ti» foram os principais êxitos da banda, que editou três álbuns de originais e vários mini-LP, máxi-singles, singles e compilações.

Diário Digital / Lusa

«O Labirinto do Fauno», de del Toro vence Fantasporto

«O Labirinto do Fauno», do realizador mexicano Guillermo del Toro, venceu o 27º Fantasporto – Festival Internacional de Cinema do Porto, ao ganhar o prémio para o melhor filme da Secção Oficial Cinema Fantástico, a principal do certame.

É a segunda vez que Guillermo del Toro vence o Fantasporto, o que aconteceu também em 1994, com o seu primeiro filme, «Cronos».

«O Labirinto do Fauno», já em exibição nas salas de cinema nacionais, ganhou há apenas uma semana os Óscares de Melhor Direcção Artística, Fotografia e Caracterização.

O Fantasporto 2007 distinguiu também este filme com o Prémio de Melhor Actor, para Sergi López.

A actriz espanhola Ariadna Gil, uma das protagonistas de «O Labirinto do Fauno», ganhou o Prémio Melhor Actriz da secção Cinema Fantástico, pela actuação no filme «Ausentes», de Daniel Calparsoro.

Na outra secção oficial competitiva, a Semana dos Realizadores, o galardão principal foi para o filme galego «Un Franco, 14 Pesetas», que marca a estreia na realização do conhecido actor espanhol Carlos Iglésias.

O filme, que ganhou também o Prémio Melhor Realizador, conta a história de dois amigos que nos anos 60, na Espanha no general Franco, decidem procurar trabalho na Suíça, num argumento que foca a emigração de uma maneira bem-humorada, combinando a comédia com a crítica social.

Os filmes asiáticos voltaram a brilhar no 27º Fantasporto, arrecadando vários prémios, como aconteceu com «Isabella», de Ho Cheung Pang (China), que venceu a secção Orient Express e ganhou o prémio para a Melhor Actriz da Semana dos Realizadores, para a macaense Isabella Leong.

«The Host», de Bong Joon-Ho (Coreia) arrecadou o Prémio de Melhor Realização da Secção Oficial Cinema Fantástico, enquanto «Time» de Kim Ki-duk, ficou com o Prémio Melhor Actor da Semana dos Realizadores.

Do México chegou outro dos hispânicos vencedores do Fantasporto 2007, já que o Prémio Especial do Júri foi para «Histórias del Desencanto», de Alejandro Valle, com uma estética próxima do surrealismo avant-garde dos anos 20, num tom provocador e cru.

Além dos espanhóis e hispânicos, os asiáticos estiveram também em destaque, já que «The Host» valeu a Bong Joon-Ho o Prémio de Melhor Realização, enquanto «Re-Cycle» dos irmãos Pang (Danny e Oxide, criadores de «The Eye», de 2002) ganhou o Prémio Melhores Efeitos Especiais.

O Melhor Argumento da Secção Oficial de Cinema Fantástico pertence a James Moran, o inglês que escreveu a história que deu origem a «Severance», de Christopher Smith.

A Menção Especial do Júri Internacional foi para o filme norueguês «The Bothersome Man», de Jens Lien.

Na Semana dos Realizadores, o Prémio especial do Júri foi para «Subsidio Encomendado», de Artur Serra Araújo, que conta as vicissitudes de Luís Tinoco, um homem que, na sequência de desgosto de amor decide suicidar-se, o que se virá a verificar mais difícil. Uma das presenças habituais do Fantasporto, o sul-coreano Kim Ki-Duk, viu o seu filme «Time» ganhar o Prémio para Melhor Actor, para Jung-Woo Ha.

O júri da Secção Oficial Orient Express decidiu, ainda, atribuir a «The Promise», de Chen Kaigé, o Prémio Especial da Secção.

Os prémios serão entregues hoje à noite, durante a sessão de encerramento, em que será exibido o filme «The Fountain» (título português «O Último Capítulo»), de Darren Aronovsky.

Na sessão serão atribuídos prémios de carreira aos actores Ruy de Carvalho, Rosanna Arquette e Henry Thomas (o protagonista do filme «ET»).

A organização estima, de acordo com os números apurados até agora númer o final de entradas vendidas deverá rondar as 85 mil, o que corresponde a uma taxa de ocupação de cerca de 78%.

Relativamente, aos cartões de imprensa, convidados, participantes e indústria, em 2007 foram emitidos 1195 cartões de livre-trânsito, que por si só, superam a própria lotação das salas do Rivoli.

O Fantasporto registou a presença de cerca de 100 convidados estrangeiros representantes dos filmes presentes no festival, cerca de 150 jornalistas das mais diversas nacionalidades.

Durante os 14 dias de duração, o Fantasporto exibiu cerca de 200 filmes, 130 longas-metragens e 70 curtas-metragens.

Diário Digital/Lusa

Pirates of the Caribbean: At World’s End

Pirata das Caraibas III

Piratas das Caraíbas – No fim do Mundo (deve ser este o título em português), ultimo filme da trilogia Disney, chega aos cinemas portugueses em Julho. Apesar da falta de detalhes relativos à história, muito se tem escrito sobre a 3ª aventura do pirata Jack Sparrow (Johnny Deep). Mas vamos a factos concretos…

Acompanhados pelo entretanto “ressuscitado” capitão Barbosa (Geoffrey Rush), Will Turner (Orlando Bloom) e Elizabeth (Keira Knightley) lançam-se ao resgate do Capitão Jack Sparrow (Johnny Depp), que luta para não ser digerido pelo estômago do monstro Kraken, vítima da maldição de David Jones. Enquanto isso, o barco fantasma “Flying Dutchman” e Davy Jones, sob o controlo da Companhia das Índias, parte numa viagem pelos sete mares.

Navegando por mares revoltos, eles tentam chegar a Singapura, onde confrontarão o pirata chinês Sao Feng (Chow Yun-Fat). Numa viagem até aos confins da terra, cada um dos piratas deverá escolher um lado nesta batalha da qual depende muito mais do que as suas próprias vidas.

O filme volta a ser produzido por Jerry Bruckheimer e realizado por Gore Verbinski, a partir do argumento escrito por Ted Elliott e Teddy Rossio. Confirmada está também a participação do musico Keith Richards (The Rolling Stones) no papel de pai de Sparrow, após este ter afirmado que o musico foi uma das inspirações aquando da criação da personagem. Os ultimos rumores que circulam na net apontam para a possibilidade de uma 4ª aventura que estará a ser preparada pelos Estudios da Disney.

in Hotvnews 2.0

« Older entries